INÍCIO / Ciência / Inteligência Artificial e robôs mudarão a forma como criamos e consumimos conteúdo

Inteligência Artificial e robôs mudarão a forma como criamos e consumimos conteúdo


Artigo original por Benjamin Stecher

Tradução Diego Storto


 

O futuro do entretenimento está prestes a experimentar algumas importantes mudanças. O rápido avanço tecnológico vem permitindo que mais conteúdo seja criado de outras formas. Além disso, com o crescimento da automação, mais pessoas poderão buscar desafios criativos.

 

OPORTUNIDADES EM AUTOMAÇÃO

 

A automação dispensará a maioria das pessoas de seus empregos, e, com o tempo, a sociedade será forçada a adotar alguma forma de renda básica de cidadania. Mas, e depois? O que as pessoas vão fazer quando não tiverem mais de trabalhar?

À primeira vista, parece um bom problema de se ter. As pessoas terão a liberdade de fazer o que realmente querem fazer das suas vidas. Mas nós definimos a nós mesmos pelo modo como contribuímos para a sociedade. A maioria das pessoas encontra em suas carreiras a resposta para quem são e o que fazem.

Alguns passarão todo esse tempo extra fazendo as coisas que já faziam em seu tempo livre: navegar na internet, assistir a filmes e seriados, e jogar jogos eletrônicos.

Mas este futuro para o qual estamos nos movendo violenta e rapidamente também gerará uma oportunidade. Em vez de sermos apenas consumidores passivos de conteúdo, todas as pessoas poderão se tornar participantes ativos da criação de conteúdo.

 

MAIS EXPERIÊNCIAS GERADAS PELO USUÁRIO

 

O YouTube é o terceiro site mais visitado do mundo, perdendo apenas para o Google (que também é proprietário do YouTube) e o Facebook. A cada minuto são carregadas 300 horas de vídeo no YouTube, e a cada mês são assistidas 3,25 bilhões de horas de vídeo. Foram-se os dias em que dependíamos unicamente de estúdios e redes gigantescos para o nosso entretenimento. Cada vez mais pessoas estão se voltando umas às outras em busca de conteúdo.

A criação de conteúdo online tornou-se uma indústria em si mesma à medida que a quantidade de canais do YouTube faturando seis dígitos aumentou em 50% em relação ao ano passado. Mercados digitais para uma ampla gama de criadores de conteúdo estão sendo colocados on-line e abrindo espaço para qualquer um que queira tornar-se um empreendedor digital.

Isso afetará como o valor individual é avaliado. O seu valor não será mais dado pela empresa para a qual você trabalha ou pelo curso superior que você tem, mas, sim, pela popularidade das suas criações. Um histórico de produção de coisas que as pessoas querem será tudo o que possuirá valor.

 

O MODELO SOB DEMANDA

 

O consumo passivo também continuará a crescer e se tornará ainda mais atraente e viciante do que é hoje em dia.

Atualmente, 98 milhões de pessoas têm conta na Netflix, e esse número não para de crescer. A empresa atingiu esse patamar ao entender a importância da criação de experiências fáceis e viciantes voltadas ao usuário. Eles começaram em 1997 com a venda de DVDs entregues a domicílio e, em 2007, mudaram para se tornar a melhor plataforma quando se trata de transmissão ao vivo sob demanda que os transformou na maior rede de televisão da internet nos Estados Unidos.

No entanto, o plano deles é torná-la a maior rede de entretenimento do mundo e, para chegar lá, a Netflix está agora utilizando a inteligência artificial para personalizar a sua interface com o usuário e ajustar-se aos gostos específicos de cada pessoa. Este é Reed Hastings, CEO da Netflix, dando uma palestra intitulada “Aproveitando a inteligência artificial para tornar a experiência do usuário & o entretenimento viciante”.

 

MÍDIAS SOCIAIS AUMENTADAS

 

O Facebook lançou recentemente o que foi batizado como ‘Act 2’, que afastará a gigantesca mídia social de seu produto principal, mídias sociais, e reconcentrará os seus esforços na realidade aumentada e inteligência artificial.

Em 18 de abril, Mark Zuckerberg deu uma palestra em que esboçou a sua visão para o futuro do Facebook. Ao mesmo tempo, lançou a versão beta da nova ferramenta de realidade aumentada do Facebook, a qual potencializará as suas plataformas de mídias sociais – Facebook, Whatsapp, Snapchat e Instagram – para criar as comunidades das quais ele tem falado muito ultimamente.

Por trás de todos os aplicativos de realidade aumentada, bem como o novo serviço de mensagens e a nova plataforma de mídia social RV que também estão implementando, está a máquina de aprendizagem de algorítimos (IA). Zuckerberg afirmou em discurso que a aplicação da IA em tudo o que o Facebook está criando permitirá, com o tempo, que a plataforma substitua todo o hardware no mundo real por versões digitais que parecerão tão reais quanto ele.

Uma outra parte crítica deste plano é realizar a abertura destas plataformas e permitir que qualquer um que queira possa contribuir para a criação de todo o conteúdo que será introduzido nelas.

 

JOGOS VIRTUAIS

 

Já tendo ultrapassado as indústrias cinematográfica e musical, jogos virtuais estão prontos para crescer ainda mais rápido na década seguinte com a popularização da realidade virtual e aumentada. A contínua ascensão das plataformas de jogos eletrônicos e transmissões de jogos em tempo real, como a Twitch, favorecerá essa tendência. Já no ano passado, mais pessoas assistiram as finais de League of Legends do que as finais da NBA.

 

ENTRETENIMENTO DE IMERSÃO EM INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

 

Com o tempo, o maior agente de mudança sairá do entretenimento de imersão em inteligência artificial. Assim que a IA se tornar boa na escrita de códigos inovadores, ela será capaz de criar experiências virtuais que podem ser produzidas para cada usuário, escrevendo filmes enquanto você assiste e escrevendo jogos enquanto você joga, propiciando que duas pessoas jamais joguem o mesmo jogo ou assistam ao mesmo filme.

 

QUE TIPO DE FUTURO ISSO TUDO ESTÁ CRIANDO?

 

Para aqueles que perceberem todas essas mudanças e se aproveitarem delas, isso significará uma transição de consumo passivo para seleção ativa de entretenimento e o poder de participar da criação de conteúdo.

Para aqueles que não se ajustarem e ficarem presos ao modelo de consumo passivo do passado, o futuro provavelmente se parecerá com isso.

 

 

Avalie esse artigo

0

Nota total

Agradecemos a sua avaliação!

User Rating: 5 ( 1 votes)

Sobre GEDbioética

O Grupo de Estudos e Discussões em Bioética – GEDbioética, foi fundado em 2012, por um grupo de alunos do curso de Ciências Biológicas da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, campus de São José do Rio Preto, com objetivo difundir e debater temas relacionados à bioética. Nossa missão é construir um ambiente permissivo à pluralidade de ideias. Além disso, criar um vínculo com a comunidade, a qual é essencial para a construção do conhecimento.

VEJA TAMBÉM

Nós precisamos acreditar que temos livre arbítrio?

Artigo original por Scotty Hendricks Tradução Igo Araujo   Em algum momento da sua vida, você …